starwars

[ARTIGO] Ele não está tão afim de você, Disney.

O segredo para o sucesso de qualquer relação passa primeiramente por reciprocidade.

Eu não sou nenhum “Hitch: O Conselheiro Amoroso” e definitivamente não sou a pessoa mais indicada para dar conselhos amorosos, mas esse texto não é exatamente sobre isso. Ou é?!

Bem, acho que o que eu posso falar com “certa propriedade” é que não vale a pena investir em uma relação onde não haja um sentimento mútuo. Recíproco.

Já tive aquelas desilusões amorosas e acho que todo mundo já deve ter passado por algo do tipo… E o aprendizado que tive em minhas experiências foi que não vale a pena mudar quem você é para agradar outra pessoa. Uma hora ou outra, se a pessoa não gosta de você do jeito que você realmente é, tudo vai desmoronar.

É assim na vida, é assim nos filmes…

Afinal, todo o fã de Star Wars guarda um sentimento ímpar pela franquia, uma espécie de relação íntima que se desenvolveu durante anos, e a prova de que isso é amor de verdade é que apesar das críticas e xingamentos com o decorrer dos anos, eles continuam acompanhando suas produções.

É como um torcedor fanático por seu time de futebol!

É claro que cada um tem um gosto diferente, momentos preferidos diferentes…

Uns apoiam os Rebeldes, outros o Império… Uns querem ser Jedi e outros preferem o lado negro da força

Por isso, por mais que tenhamos um “fandom” de Star Wars, ele é composto de indivíduos com gostos e expectativas peculiares, e por isso é impossível agradar à todos de uma só vez.

Ao assistir Star Wars: A Ascensão Skywalker, eu tentei sinceramente exercer toda a minha empatia e me colocar no lugar da Disney para entender o que havia acabado de acontecer.

A Disney lançou primeiramente o Episódio VII com J. J. Abrams e reclamaram que era uma cópia de Star Wars: Uma Nova Esperança. Para agradar esses fãs, o estúdio então mudou de diretor e trouxe Rian Jhonson que trouxe uma nova pegada com o lançamento do Episódio VIII, e dessa vez, desagradou a galera que tinha curtido o filme anterior… E o que acontece depois? Em resposta às críticas, volta J. J. Abrams e muda tudo novamente.

Enfim… A Disney se tornou o típico carinha inseguro que está completamente apaixonado pela menina mais bonita da classe. É aquela pessoa que perdeu completamente o amor próprio, a dignidade, que faz de tudo para agradar e receber atenção.

Infelizmente, Disney, uma relação assim não é capaz de durar…

No final, se duas pessoas não aprendem a se gostar e se aceitar como verdadeiramente são, não há emenda que salve essa relação.

Se o fandom não está tão afim de você, paciência. Talvez só tempo seja capaz de nos provar quem nos ama de verdade.

As prequels de Star Wars foram criticadas até hoje e adivinha só? A vida seguiu e a terra continuou a girar. Com o tempo, sinceramente, a sensação que se tem é que os fãs nem acham mais os filmes tão ruins assim. É claro que nenhum “fã oldschool” vai cometer o sincericído” de assumir que pegou pesado nas críticas no passado e trair o movimento dos “haters das prequels de Star Wars”, mas é nítido que as pessoas no mínimo se adaptaram.

Os mesmos que xingaram no passado continuam acompanhado as novidades da franquia ano após ano.

Após o lançamento de Star Wars: A Ameaça Fantasma (1999), George Lucas foi execrado pelo público e crítica. Mesmo com toda a resistência, o cineasta seguiu com seu planejamento e expandiu cada vez mais seu universo lançando mais filmes, livros, séries animadas, quadrinhos, etc…

George Lucas em nenhum momento deu ouvidos aos haters e o que aconteceu? Star Wars acabou se tornando uma das franquias mais valiosas da história!

O que fica nítido nessa nova trilogia da saga é que não houve, no mínimo, um objetivo bem definido pelo medo de desagradar. São três filmes diferentes, com tons diferentes e até mesmo um diretor diferente no meio do caminho… Uma trilogia que não possui identidade.

O caso me lembra a treta recente entre Zack Snyder e a Warner Bros. com o universo cinematográfico da DC.

Após as críticas negativas recebidas com o lançamento de Batman V Superman: A Origem da Justiça (2016), a Warner tentou desesperadamente reeditar os filmes da DC Comics e mudar todo um planejamento que já havia sido traçado!

De um dia pro outro, o problema passou a ser o tom dos filmes de super-heróis, e a Warner interferiu diretamente colocando mais cores e piadas em suas produções…

O resultado foi ainda pior!

Liga da justiça (2017) foi um tremendo fracasso de crítica e bilheteria. A recepção do filme foi tão ruim que grande parte dos fã fazem campanha até hoje pedindo o lançamento do chamado “Snyder Cut”, a versão original do longa dirigido por Zack Snyder.

Enfim… Já passou da hora dos grandes estúdios aprenderem a lidar com críticas negativas… Ou até mesmo terem coragem de tomar decisões que julguem necessárias, mas que tudo seja feito com critério e embasamento, mantendo o mínimo de organização.

Nada de tentar interferir em produções que já estão em curso a cada minuto para atender fã chato de internet.

O grande problema de Star Wars: A Ascensão Skywalker é que o filme tenta achar um meio termo impossível para não agredir ninguém e acaba falhando miseravelmente.

J. J. Abrams tenta “corrigir” e moldar seu filme seguindo o desejo dos fãs e a sensação é de ver uma criança tacando corretor líquido branco em um quadro de Van Gogh trabalhado durante anos.

Star Wars: Episódio IX – A Ascensão Skywalker é o carinha apaixonado sem nenhuma autoestima que tenta de tudo para conquistar a garota que não está nem aí pra ele, e o final dessa história, todo mundo já sabe.

Por Régis Oliveira.

Compartilhe este post

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Criada por dois amigos viciados em conteúdo Geek, este blog surgiu como uma forma de extravasar o estresse do dia a dia produzindo conteúdo de qualidade. De fã para fã… com vocês… a BBKCORP!

Nossas Mídias Sociais